sexta-feira, 27 de março de 2009

One Art

Caraca... dia 7 de Abril iria completar 3 meses de seca deste blog de meu Deus!
Então vamos lá apertar o F5 dessa budega, em breves palavras vou dizer o que aconteceu desde 7 de janeiro de 2009, já (!):
Dormi. Acordei. Criei coragem. Viajei sozinha. Conheci lugares. Conheci pessoas. Falei em inglês. Acreditei como nunca em Deus. Passeei (?). Andei. Perdi peso. Ri. Dancei. Gargalhei. Me queimei de sol. Caminhei. Fiz compras. Muitas compras. Chorei. Senti saudades. Chorei. Chorei. Sorri. Orei. Liguei (1). Liguei (2). Liguei (3). Minha mãe se tornou minha melhor amiga (enquanto eu estava fora, agora voltou a ser mãe! hahaha). Quis voltar. Reclamei. Aprendi a confiar em mim. Me diverti. Saí. Andei. Cansei. Comi, comi, comi e comi! Dormi. Acordei. Vi que definitavamente não sou mais criança. Fui ao cinema. Me arrependi de não ter aproveitado mais. Voltei. Peguei um avião. Não dormi. Fiquei cansada. Ansiosa. Nervosa. Dormi em SP sozinha. Voltei pra terrinha. Ansiosa. CHEGUEI. Primeiro momento ninguém. Segundo momento todo mundo. Muitas saudades. Sorri. Não me adaptei tão rápido ao fuso. Não quis voltar as aulas. Não quero engordar de novo! Minha vida amorosa deu um passo a frente. De volta a realidade. Fiz trabalhos. Dormi. Acordei. Ri. Gargalhei. Como é bom estar de volta. Boas lembranças. Saudades. Saudade dói!
E o melhor e mais importante deste tempo todo é que AMADURECI, realmente uma viagem fora do seu cercado pode fazer você se conhecer melhor.
Se eu fosse contar tuuuudoooo o que aconteceu nesses três meses ficaria chato, e eu to meio sem paciência, queria logo atualizar o blog, coitadinho ficou aqui as traças! Espero ter coisas mais interessantes para postar!
Por enquanto é só... ahhh! Sobre o título... bom é o título do meu poema favorito, sorry mas é em inglês, mas vale a pena tentar ler. Ele fala sobre perdermos as coisas e aceitarmos, tem coisas que são para ser perdidas, temos que aceitar a frustação e levarmos a vida mais leve, e isso é UMA ARTE!
One Art
de Elizabeth Bishop
The art of losing isn't hard to master;
so many things seem filled with the intent
to be lost that their loss is no disaster.

Lose something every day. Accept the fluster
of lost door keys, the hour badly spent.
The art of losing isn't hard to master.

Then practice losing farther, losing faster:
places, and names, and where it was you meant
to travel. None of these will bring disaster.

I lost my mother's watch. And look! my last, or
next-to-last, of three loved houses went.
The art of losing isn't hard to master.

I lost two cities, lovely ones. And, vaster,
some realms I owned, two rivers, a continent.
I miss them, but it wasn't a disaster.

--Even losing you (the joking voice, a gesture
I love) I shan't have lied. It's evident
the art of losing's not too hard to master
though it may look like (Write it!) like disaster.
Por hoje é só pessoal, foi bom matar as saudades do Rebecca's Secrets!