domingo, 31 de agosto de 2008

Caindo Livremente

Sou fã de John Mayer desde... esse ano, na verdade eu já conhecia o trabalho dele, mas anos depois ao ouvir "Love song for no one" em um momento em que eu realmente necessitava de uma canção de amor para ninguém, ele me conquistou de vez, gosto de suas composições, pensamentos, a maneira com que ele canta, fazendo caretas e tudo mais. Eu estava carente de cantores, em que eu pudesse baixar milhares de músicas e conseguir ouvir todas com a mesma satisfação. É tão difícil atualmente, desisti de comprar cd's em que só se pudesse aproveitar uma ou duas faixas, hoje em dia só não compro os cd's dele, porque não tenho dinheiro mesmo.

Estou com essa rasgação de seda aqui, para deixar registrado uma sugestão do bom rock, blues e jazz... pois ele consegue mesclar tudo. Procuro o DVD dele, a muito tempo, por incrível que pareça procurei em algumas das maiores cidades da América do Sul: São Paulo, Buenos Aires e Lima, e sempre escuto: "Não, só temos o CD!", ou "John Quem???", esse último é que me deixa mais irritada!!! E meu primo abençoado, retornou dos EUA essa semana, eu tinha encomendado com ele este último DVD, mas ele esqueceu!!! Então se alguém quiser me dar, por caridade, sinta-se inteiramente à vontade!!!

A muito tempo estou para fazer um post, sobre a nova música do John "Maravilhoso" Mayer, mas me faltava inspiração, agora não posso dizer que estou no ápice de toda essa inspiração, pois deixei um post inacabado... que provavelmente amanhã eu tenha que postar, para apresentar lhes essa linda canção.

Na verdade a música não é dele, é de Tom Petty (para o soundtrack de Top Gun ou Jerry Maguire.. não me recordo, só sei que tem o Tom Cruise como protagonista) , mas é claro que na voz e interpretação do John, até a Dança do Créu fica linda e tocante... link da música: http://br.youtube.com/watch?v=uNW8q-Ucz18


Letra da música (Vale a pena espremer um pouco seu inglês):
She's a good girl, loves her mama
Loves Jesus and America too
She's a good girl, crazy 'bout Elvis
Loves horses and her boyfriend too
It's a long day living in Reseda
There's a freeway runnin' through the yard
And I'm a bad boy cos I don't even miss her
I'm a bad boy for breakin' her heart
And I'm free, free fallin'
Yeah I'm free, free fallin'
All the vampires walkin' through the valley
Move west down Ventura Boulevard
And all the bad boys are standing in the shadows
All the good girls are home with broken hearts
And I'm free, free fallin'
Yeah I'm free, free fallin'
(Backing Vocals)
Free fallin', now I'm a, free fallin', now I'm a
Free fallin', now I'm a, free fallin', now I'm a
I wanna glide down over Mulholland
I wanna write her name in the sky
Gonna free fall out into nothin'
Gonna leave this world for a while
And I'm free, free fallin'
Yeah I'm free, free fallin'

Daqui uns tempos, posto músicas da autoria dele, para vocês verem do que estou falando!
Fica a sugestão: Say, A love song for no one, Why Georgia, No Such... e umas outras 70!
Kisses
God Bless You All
Para fechar bem o mês de Agosto! Bye-Bye August!
Agora deixa eu ir tomar meu banho, que estou atrasadérrima (como sempre) para ir a igreja!

quarta-feira, 27 de agosto de 2008

"É que ela ama ele, e ele ama ela!"

Ontem à noite, estava eu aqui em pé no meu quarto, lendo atrás da minha irmã a conversa que ela estava tendo com uma coleguinha, não que eu sempre faça isso, mas como não tinha nada melhor pra fazer, resolvi fazer algo no mínimo engraçado para mim: Ficar lendo em voz alta, imitando vozes, a conversa da minha irmã com quem quer que seja. Não, não tenho 12 anos, mas que é engraçado isso é! Ela fica com raiva no começo, mas depois solta gostosas gargalhadas.

E o que isso tem a ver com o título? Bom é o seguinte, estavam elas no alto de uma conversa produtiva, sobre meninos e os jogos da escola, quando leio a amiguinha dela dizer: Mas o bom, é que mesmo eu tendo um namorado ainda tenho minhas amigas! (Não exatamente com essas palavras, mas a essência era a mesma.)

Fiquei indignada e perguntei: Izabela, como assim essa guria tem NAMORADO?
Izabela: Ué Rebecca?! Ela namora com um guri lá da escola.
Eu: Mas como assim? Quantos anos ela tem?
Izabela: Minha idade (13 anos), ela é da minha sala!
Eu: Mas a mãe dela sabe? E ela deixa?
Izabela: Ah, a mãe dela sabe sim!
Eu: Mas porque que ela namora, como ela tem um namorado?
Izabela: Aiiiiii Rebecca, é que ela ama ele, e ele ama ela!
Eu: Caramba, e essa guria lá sabe o que é amor???
Izabela: Deve saber, é tão bonito os dois juntos!
Eu (já sentada na cama): Mas como é que ela sabe que é amor? Ela é muito nova, e acha que AMA!!
Izabela: Ahhh Rebecca, não enche! Pergunta pra ela!

Pronto, estava instaurada uma batalha contra minhas maiores frustrações. Quando EU tinha 13 anos, eu ainda brincava de boneca. Quando EU tinha 13 anos, fazia um ano que meus pais tinham se separado, e escrevi uma carta ao meu pai, despejando todas as minhas angústias, mágoas e desabafos (encontrei esta carta hoje, mexendo nas minhas coisas, quando EU tinha 13 anos... podia ser escritora de dramas). Quando EU tinha 13 anos, acreditava que quando eu tivesse 20, minha idade atual, seria uma mulher completa, responsável, casada, super segura de mim mesma, e seria linda a ponto de parar o trânsito (este último juro que me falavam quando eu era criança, ainda bem que não acreditei.). Quando EU tinha 13 anos, ficava alguns dias sozinha com minhas irmãs, enquanto minha mãe viajava a trabalho. Quando EU tinha 13 anos, tinha responsabilidades e problemas demais pra minha idade, ia ao banco pagar contas, cuidava de algumas coisas sozinha. Quando EU tinha 13 anos, cheguei a questionar seriamente, se casamentos realmente duravam para sempre. Quando EU tinha 13 anos, eu achava que poder dirigir seria a melhor coisa do mundo. Quando EU tinha 13 anos, queria roupas de marca e sair como as outras meninas. Quando EU tinha 13 anos, eu nunca tinha beijado, e demorou uns bons aninhos a mais pra isso acontecer. Quando EU tinha 13 anos, gostava de escrever, inventava histórias, era criativa, ainda bem que isto não perdi. Quando EU tinha 13 anos, eu me achava o ser mais horrendo do universo. Quando EU tinha 13 anos, vivia uma batalha interminável com meus pais, minha mãe manda eu ligar pra cobrar pensão, e meu pai dizia que eu só ligava pra pedir dinheiro. Quando EU tinha 13 anos, eu sabia que teria que estudar muito e trabalhar muito, para poder conquistar meus objetivos. Quando EU tinha 13 anos, aprendi que tudo que eu quisesse dependeria apenas de mim. Quando EU tinha 13 anos, mesmo questionando a "validade" dos casamentos, ainda acreditava em Príncipes Encantados, e que o meu viria me resgatar, achava que poderia ser o Kaká (eu era apaixonada por ele! auahuauhaha)

Quando EU tinha 13 anos... agora eu tenho 20 anos e algumas coisas não mudaram, algumas coisas não aconteceram... não, não sou mais apaixonada pelo Kaká e sim, eu já beijei. Mas não é disso que estou falando, estou falando que agora com 20, ainda vejo algumas coisas como se eu tivesse 13 anos, alguns sonhos são os mesmos, e eu estou nesta espera a muito tempo.

Tenho 20 anos, e até hoje nunca amei de verdade (um homem, viu você amigo ou familiar que esteja lendo, eu estou falando de amor para com um homem, porque dos outros tipos de amor eu entendo tá?!) , estou esperando, esperando e esperando. Nunca me permiti dizer EU TE AMO, do fundo do coração, com a verdade escrita na testa, com os olhos brilhando e com “borboletas no estômago” (amo essa expressão), por que eu sempre esperei a hora certa e sempre ODIEI a banalização da palavra Amor. Ai eu venho aos 20 anos (solteira, sozinha, acima do peso e muito exigente) e vejo uma menina falar que com 13 anos esta NAMORANDO, e que AMA!!! Ahhhh, faça me o favor!!! Agora sim eu entendo as críticas do pessoal das antigas, em relação ao comportamento da “nova juventude”.


QUANDO EU TINHA 13 ANOS, GOSTO DE ACREDITAR QUE EU TINHA PREOCUPAÇÕES DEMAIS TENDO 13 ANOS, SENDO UMA CRIANÇA, E ME ESFORÇANDO PARA NÃO PERMITIR QUE OS "FATORES EXTERNOS" MATASSEM MEUS SONHOS. E AMAR, AH... AMAR SERIA COMPLICADO DEMAIS, PARA UMA MENINA DE 13 ANOS!

domingo, 24 de agosto de 2008

Só de Sacanagem

(A autoria não é minha, mas eu gostaria que tivesse sido, eu apenas gosto muito deste texto, este é um texto de Elisa Luncinda... e perdõe pelo peso das palavras, mas somos brasileiros, com a gente tem que ser tudo no tranco!)

"Meu coração está aos pulos! Quantas vezes minha esperança será posta a prova? Por quantas provas terá ela que passar?
Tudo isso que está aí no ar: malas, cuecas que voam entupidas de dinheiro. Do meu dinheiro, do nosso dinheiro que reservamos duramente pra educar os meninos mais pobres que nós, pra cuidar gratuitamente da saúde deles e dos seus pais.
Esse dinheiro viaja na bagagem da impunidade e eu não posso mais. Quantas vezes, meu amigo, meu rapaz, minha confiança vai ser posta a prova? Quantas vezes minha esperança vai esperar no cais?
É certo que tempos difíceis existem pra aperfeiçoar o aprendiz, mas não é certo que a mentira dos maus brasileiros venha quebrar no nosso nariz. Meu coração tá no escuro.
A luz é simples, regada ao conselho simples de meu pai, minha mãe, minha avó e todos os justos que os precederam. 'Não roubarás!', 'Devolva o lápis do coleguinha', 'Esse apontador não é seu, minha filha'. Ao invés disso, tanta coisa nojenta e torpe tenho tido que escutar!
Até habeas corpus preventiva, coisa da qual nunca tinha visto falar, sobre o qual minha pobre lógica ainda insiste: esse é o tipo de benefício que só ao culpado interessará!
Pois bem, se mexeram comigo, com a velha e fiel fé do meu povo sofrido, então agora eu vou sacanear! Mais honesta ainda eu vou ficar! Só de sacanagem! Dirão: 'Deixe de ser boba! Desde Cabral que aqui todo mundo rouba! E eu vou dizer: 'Não importa! Será esse o meu carnaval! Vou confiar mais e outra vez. Eu, meu irmão, meu filho e meus amigos.'
Vamo pagar limpo a quem a gente deve e receber limpo do nosso freguês. Com o tempo, a gente consegue ser livre, ético e o escambal. Dirão: 'É inútil! Todo mundo aqui é corrupto desde o primeiro homem que veio de Portugal!
E eu direi: 'Não admito! Minha esperança é imortal, ouviram? Imortal!'Sei que não dá pra mudar o começo, mas, se a gente quizer, vai dar pra mudar o final! "
Clap your hands!
Bye bye... see you my friends!

quinta-feira, 21 de agosto de 2008

Tarefinha complicada!

Desde pequena, já gostava da tal da propaganda


Oii gente!!

Well... neste post que vos escrevo, eu deveria falar sobre A PROPAGANDA DA MINHA INFÂNCIA, mas como já comentei várias vezes com vocês, sobre minha "dificuldade" de fazer exatamente o que me pedem, não vou falar sobre A propaganda, vou falar sobre AS progadandas da minha infância.

Oww tarefinha complicada essa de escolher UMA propaganda que tenha marcado minha infância, é o mesmo que escolher UM filme favorito, UM bom diretor, UM ovo de páscoa, UM presente de Natal, UM lugar pra se morar a vida inteira, UMA melhor amiga, UM sonho pra correr atrás, UMA roupa pra sair. Enfim, não consegui... eu fiz então UM apanhado de propagandas que me marcaram durante esta minha longa existência, bom... longa em relação a propagandas deve ser mesmo, porque desde que me conheço por gente, eu amoooooo ficar horas na frente da TV. Isso quando ainda não tinha internet né?! Mas até hoje, entre internet e uma boa TV a cabo só pra mim, acho que a televisão ganha minha atenção!!!

Let's talk about advertisings! Esta lista abaixo, são das propagandas que eu me lembro que foram marcantes e que estavam disponíveis no YouTube, algumas ficaram de fora, ou por causa da minha incompetência de encontrá-las no cyber-espaço, ou porque eu realmente não consegui me lembrar de todas. Tá... vou parar de "falar", abaixo segue lista. TOP 10 PROPAGANDAS QUE MARCARAM MINHA INFÂNCIA QUE EU ME LEMBRE NO MOMENTO!(Vocês podem reparar que a maioria é de comida... eu não sei porquê auhuauahuauahuha)


1. Baton - Quem não se lembra do célebre: "Compre Baton, compre Baton!"

Propaganda feita pela maravilhosa W/Brasil



2. Danoninho - Ah essa é fácil: "Me dá, me dá, me dá Danoninho..."



3. Leite Parmalat - Aiii que saudade: "Tomou?"




4. Guaraná Antártica - Até hoje me pego cantando - "Pipoca com Guaraná"



5. Poupança Bamerindus - "O tempo passa, o tempo voa, e a poupança Bamerindus continua numa boaaaaaaa, é a poupança Bamerindus... !!!!"



6. BomBril - Grande Carlos Moreno, o ator que mais tempo foi garoto propaganda de uma marca.

Mais uma grande sacada da W/Brasil



7. TV Colosso - Fala sério, eu amava aquilo. Mas hoje assistindo pensei... como é que pude? auauhuaaua



8. Chokito - "Leite condensado, caramelizado, com flocos crocante e o delicioso chocolate Nestlè!"



9. Lojas Pernambucanas - Tá eu nem era projeto ainda, mas a propaganda não deixa de ser boa! "Não adianta bater, que eu não deixo você entrar!"



10. Faber Castell - Lápis de cor Aquarela - Toquinho
Inesquecível



O interessante é ver que enquanto eu estava pesquisando, me dei conta que meus pais realmente não deviam se deixar levar pelas propagandas! auahuaaaha Por que de todos os produtos anunciados, posso contar nos dedos de uma mão os que realmente ganhei, mas os que pedi.... ahh empresta seus dedos aí vai?!


segunda-feira, 18 de agosto de 2008

"Tudo depende de nós"

Acabo de retornar do cartório (estou escrevendo agora, pois as idéias ainda estão fresquinhas), fui com meu pai, lá conversamos com uma das funcionárias, ou melhor a dona do cartório, uma senhora de 85 anos, completamente lúcida ela nos contou histórias de quando seu pai era prefeito aqui de Campo Grande, de quando Getúlio Vargas veio para cá e conversou com ela, de quando quase matou Marechal Cândido Rondon engasgado com sua limonada, de quando viajou a Paris, de quando as ruas de nossa cidade foram nomeadas com os nomes dos amigos de seu pai e de quando ainda moça seus olhos começaram a falhar.
Relatou tudo com a lucidez e precisão de fatos como se tivessem ocorrido no dia anterior, durante a conversa deixou escapar gírias como: Brotinho, Bamba, Siricotico (acho que é assim..) e Pedaço, como se fossem as gírias mais radicais do momento. Sempre que tenho a oportunidade de conversar com pessoas de mais idade, com experiências e histórias mesmo que inventadas (não que as histórias dela tenham sido inventadas), paro e ouço, ouço e ouço. As experiências dessas pessoas são incríveis, são melhores do que qualquer filme Blockbustter, pessoas que viram uma cidade se transformar, pessoas que não entendem os jovens da atualidade (ela chamou meu PAI de jovem, e perguntou se ele "fica" huauauhaahu), pessoas que mesmo que tenham sido grandes líderes, assim por sua vez alcançado a "feliz idade" se tornam carentes e dependentes de atenção. Mas como é bom e prazeroso dar a eles esta atenção mesmo que por alguns minutos.
Ela me pediu oração pelos seus olhos, mesmo sem me conhecer me desejou boa sorte em minha profissão e em minha vida, segurou em meu braço e me acompanhou até a porta, nos despedimos um par de vezes, ela não queria nos deixar partir, encheu minha tarde que até então antes de sua presença seria pacata e sem graça, de sabedoria, conhecimento, expêriencia e esperança.
E quando eu achava que já havia tido tudo por hoje, quando estavamos saindo da sala dela, ela apontou na parede um vidrinho, no vidrinho estava escrito uma frase que Cândido Rondon havia dito a seu pai: "Nós somos os operários de Nós mesmos; ou nos construímos, ou nos destruímos. Tudo depende de Nós”.
Pronto, aquela senhora desconhecida havia plantado algo novo em minha tarde, em meu dia, em minha vida.

domingo, 17 de agosto de 2008

Extravazando... Back off, Mister!!

Pré - Scriptum: Este post contém pensamentos e lamentos confusos. Só o leia se estiver em sua perfeita condição mental.
Little me
Agora vocês estão prestes a invadir meu espaço. Neste post eu deveria expor um pouco mais da minha cultura familiar, mas devido a minha "dificuldade" em me manter fiel as coisas que me são exigidas, ou dar a perfeita interpretação sobre CULTURA FAMILIAR, mais uma vez eu vou viajar na maionese, e tentar oferecer algo interessante para a sua leitura.


Quando penso em Cultura Familiar, me vêm à mente algumas coisas: a educação que recebi, minha religião, meu caráter, meus parentes, meus sonhos, minha fé, meus planos, minha estabilidade emocional (se é que posso chamar assim) e responsabilidade. Estas coisas para mim envolvem a minha cultura familiar. E é isso que vou “expor” agora a vocês.


Em minha família o amor e o respeito, sempre foram fundamentais, é claro que muitas vezes pelo menos em meu núcleo familiar (pai, mãe e irmãs), esse respeito se torna mais difícil que conquistar o ouro na China. Deus sabia exatamente da dificuldade que estava propondo quando mandou Moisés descer do monte e pronunciar os 10 Mandamentos, e lá pelo quinto mandamento ele diz : "Respeite seu pai e sua mãe, para que você viva muito tempo na terra que estou lhe dando." (Êxodo 20:12) Nossa como isso é difícil, é complicado, por isso que tem muita gente morrendo cedo... deve ser né!?


Em minha família, tentamos respeitar a todos, algo tão raro nos tempos atuais, tenho um pesar no coração porque muitas vezes, as pessoas confundem o RESPEITO, com FRIEZA. Meus avós eu trato por senhor e senhora, mas minhas tias, tios, pai e mãe, desde que eu era criança, nunca me forçaram a dizer senhor, quando sinto necessidade uso, mas quando tenho intimidade o suficiente, vai "você" mesmo. Isso nunca, nunca me fez confundir o respeito, eu os respeito muito, não é porque eu digo: "Ai tia você vai lá visitar a Vó?" Que eu vou deixar de respeitá-la.... Tá essa parte ficou meio confusa, o que eu quero dizer, é que o respeito não está nas palavras que você diz, e sim suas intenções e atitudes. Eu já vi muitas e muitas pessoas, que chamam seus pais de senhores, e mentem, xingam, enganam, agridem e os envergonham. Acho legal quando chamam seus pais e mães de senhor e senhora, (isso aos olhos de quem vê, soa perfeitamente respeitoso) mas desde que suas atitudes sejam condizentes com aquilo que pronunciam.


Em minha família sempre fomos muito brincalhões, verdadeiros brasileiros que gostam de tato, gostam de abraçar, risadas altas, brincadeiras, reuniões, liberdades, mas isso nunca tirou e nem tirará o respeito e a educação. Me irrita como as pessoas tem o dom de confundir as coisas, o que a meu ver ocorre em muitas culturas, pais e filhos tem uma relação “estritamente profissional”, literalmente!!! Pais que acreditam que se oferecem carinho, risadas, atenção, vão com isso mimar seus filhos, ou fazer com que eles não os respeitem.


Em minha família, sempre demos valor a planos, sonhos e objetivos, enfim estruturá-los de maneira fundamentada em moral, valores e por assim dizer ética. Valorizamos os caminhos, a trajetória e é claro o alvo final.


Em minha família, aprendemos a ir à luta, não esperar nada de ninguém. Na verdade, não sei até onde vai à influência da minha família na minha vida, e desde onde começa a minha personalidade, com seus prós e contras. O que sei, é que tento viver cada dia, enfrentando problemas, batalhas interiores, pensamentos não “bem-vindos”, tento romper barreiras e sei que tudo que almejo conquistar, depende não de minha família... depende de mim. Porque eu aprendi assim, agora isto eu não sei quem me ensinou, se foi o mundo... ou se foi minha família.

Família é bom. Família é difícil. Família é complicado. Família é um porto. Família é divertido. Família é cansativo. Família é seguro. Família é companhia. Família é necessário. Boa ou ruim, família é família, foi esta que Deus escolheu... tem de haver um porquê. Mas por favor não pergunte para mim, que até hoje eu também tento entender!


Você pode reparar que durante o post, assumo quase uma outra postura, não estranhe às vezes sou assim, este post estava à uma semana inacabado, e conforme fatos e fatores foram se desenrolando, fui mudando minha maneira de pensar, sou assim eu mudo... e resolvi deixar do jeito que está, por que sei que pensamentos passam, pensamentos mudam, e se for com a intenção de mudar para melhor, eu mudo, detesto pensar que posso ser inflexível, para mim nada é definitivo, nada é impossível.



sexta-feira, 8 de agosto de 2008

Novidades

Putz... estou atrasada com os posts, tenho que colocar duas análises de filmes que me fizeram compainha final de semana passado: Os Produtores e Obrigado por fumar!!! Já vou adiantando que o segundo, é ótimo, muito melhor que o primeiro, embora sejam de gêneros diferentes, mas este é o assunto do próximo post.

Este post é dedicado a última novidade, saindo do forno diretamente pra vcs... vejam com seus próprios olhos:





Está ilegível, mas está escrito assim:
Prezado(a) candidato(a),
Sua inscrição foi realizada com sucesso.Caso você seja um dos selecionados, receberá um contato da nossa produção para dar continuidade ao processo de seleção.Desejamos boa sorte.
RECORD - Aprendiz 6 - Universitário.
Alásss...Yes Sir,acabo de me inscrever para o próximo Aprediz, por que desta vez, eles resolveram fazer um Aprediz Universitário, então a pessoa que vos escreve pensou... Por que não tentar? Afinal o máximo que vai acontecer é eu ter que terminar minha faculdade, sem um milhão de reais na conta e sem um emprego na empresa do Roberto Justus... Mas não custa tentar não é mesmo?!
Agradeço se eu não ouvir comentários do tipo:
- Nossa como você sonha, é claro que você não vai ser chamada!
- Nada a ver, você se inscrever!
- Acorda menina!
- Com tanta gente boa, porque você acha que te chamariam?
- O Roberto gosta de loiras, e você é morena lembra?

Ok... se você for falar algumas dessas frases acima, poupe seu precioso tempo, mas se você for torcer e orar por mim, OBRIGADA!!!

Até onde eu saiba, ninguém nunca foi preso por sonhar demais, então... vou sonhando. Fazer o que, não posso evitar, minha "ambição" depende da minha fé, e fé eu tenho.