quinta-feira, 31 de julho de 2008

Post de boas vindas e "O que há de bom no filme Equilibrium?"

Eu sempre quis fazer um blog, mas ao mesmo tempo sempre achei que seria mais uma responsabilidade, e que eu não teria digamos... idéias interessantes para alguém ler, ahhh tem o fator também de que uma vez o blog feito, é claro que eu gostaria que pelo menos algumas pessoas o lessem. Então eis que chego de férias e tenho a notícia que teriamos de fazer UM BLOG como trabalho!!! Fiquei feliz, porque confesso, que algo que você tem vontade de fazer e esse algo vira obrigação ... fica mais fácil e bem melhor!!! Espero que todos gostem das minhas maluquices e teorias nada convencionais que PRETENDO escrever.

Parte desta tarefa de criar um blog, é analisar um filme a cada semana, e mais uma vez eu ameiiii, nossa meu sonho seria que todos os trabalhos do mundo envolvessem assistir um filme!!! Pra quem não me conhece, saiba eu amo cinema!!! Na verdade na minha doce inocência de 17 anos, escolhi fazer PP, porque moro em Campo Grande é claro que aqui não tem curso de cinema (sem querer tirar da minha cidade tá?!) e porque eu achava que teria algo a ver, vai entender... Hoje gosto bastante do meu curso, quer dizer dos dois (faço ADM também), e com o passar do tempo vemos que temos que escolher caminhos pensando também no amanhã, isso é o que tento me convencer diariamente EU VOU DAR CERTO!!!

Mas vamos ao que interessa neste post: O que há de bom no filme Equilibrium?



Bom... como era parte de um trabalho, fui locá-lo, algumas pessoas tinham me adiantado que o filme não era bom, fui com baixissimas expectativas, quando cheguei a locadora e pedi o filme, o cara teve que ir nas prateleiras mais longínquas da locadora para encontrá-lo, olhei pro filme, uma capinha já gasta pelo tempo (o filme é de 2002), e confesso que me surpreendi, digamos que este filme seja um Matrix com cultura, que conta com Christian Bale e Emily Watson, concluí que no mínimo bonzinho ele seria.

O filme se passa em um tempo futuro, onde as pessoas com o objetivo de evitarem guerra e sofrimento, começam a acusar sentimentos como os principais culpados por tais catástrofes, então diariamente eles se injetam (no pescoço) um tal remédio que não me recordo do nome, para anular qualquer emoção que eles venham a ter, sejam boas ou ruins.
O Christian Bale faz um cara ferradão mesmo que já na primeira cena do filme, entra em uma sala cheia de bandidos e tiros pela porta, que ele fez como skate depois de dar uma baita voadora com o objetivo de abrí-la, o interessante é que nenhum dos tiros pegam nele, não... ele não é a prova de balas, daí com a sala em pleno breu e todas as armas descarregadas ele começa com apenas duas pistolas e um senso ninja, a matar todo mundo. As cenas de luta do filme são muito boas, o diretor Kurt Wimmer criou para o filme uma modalidade de luta chamada Gun-Kata, que como o próprio nome já diz: GUN, utiliza armas de fogo como extenções do corpo, é bem legal tipo uma coreografia de kung fu e você atira, ou seja, faz uma dancinha antes de matar.

Ai tá, o problema principal do filme, como eu já disse, é que as pessoas anularam seus sentimentos, então o personagem de Bale, que era uma pessoa super fria, após ter contato com a personagem da Emily Watson, que era amante de seu parceiro (que ele mesmo matou por cometer um crime emocional como eles chamam, oww o cara foi morto porque estava lendo um livro!) começa a questionar a maneira com que eles estavam vivendo, e deixa de tomar o tal medicamento, com isso sua tarefa que era matar pessoas (ele mata mesmo, não tem pra ningém), e procurar a Resistência (pessoas que também pararam de tomar os medicamentos e voltaram a ter sentimentos) se torna cada vez mais difícil de se cumprir, até que seu parceiro percebe, então Bale (esse não é o nome do personagem, é o sobrenome do ator, porque esqueci de verdade o nome do personagem) se alia a Resistência e é incumbido da missão de matar o "Pai" (digamos o chefão, o político responsável por implantar a ideologia na cabeça de todos), daí tem mais um pedaço que não estou com vontade de contar.

O filme é bom para vermos que muitas vezes, não precisamos chegar a um futuro muito distante, muitas das coisas descritas no filme, podem já estar acontecendo, porém com cores e figurinos diferentes, somos levados a acreditar em coisas, a ter sentimentos mecanizados, pensamentos premeditados. Certa vez um estudante de 45 anos do último ano de filosofia da UFPR me perguntou: "Você acha que a censura dos anos 60 reprimia mais do que hoje em dia?" Respondi que hoje em dia não temos censura, e ele disse: “Temos sim, mas a ditadura dos anos 60 impôs uma censura que não era mascarada, ela era verdadeira, as pessoas sabiam que estavam sendo censuradas, porém nada tirava o que tinham dentro de suas mentes, porém hoje, a mídia e os donos delas põem o que querem dentro de nossas mentes”. E isso é verdade, se dizem que tal político é bom, mostram suas boas ações, e escondem seus podres, não há uma só pessoa que diga o contrário.
Era deprimente ver no filme, aquelas pessoas sem um sorriso, o próprio filho do cara completamente sem expressão, na moral ele parecia um Hitlerzinho sem bigode, penso que era essa a intenção do diretor. Acho que pelo andar da carruagem, este futuro onde sentimentos são condenados, está mais perto do que pensamos. Podemos perceber inclusive hoje em dia todo mundo frio, pessoas que não se preocupam com o sentimento alheio, só ligam para os seus próprios interesses e bolso. Às vezes ler um livro que lhe faça enxergar um mundo diferente, é mais perigoso que cometer um crime, ninguém quer que pensemos, ninguém quer que falemos, o que eles querem é que aceitemos tudo, tudo o que eles pensarem e falarem. (fico estranho esses tempos verbais, mas deu o efeito desejado...)

Na verdade era pra eu fazer uma análise artística do filme, falar sobre cores, direção, edição, figurino, mas com aquele conteúdo achei melhor focalizar no "algo" mais pungente, o algo que falou mais alto quando assisti o filme. Mas o que mais me impactou foi que ELES NÃO PODIAM NEM LER, NEM TER CACHORRO!!! ahauahauhauah pra mim seria o fim declarado.
Se você quer assitir Equilibrium mas assim como eu tem problemas em controlar expectativas, e não gosta quando não a superam, vá com baixas, não espere muito, apenas assista, e eu GARANTO que valerá a pena.

Putz...por falar nisso, esqueci de devolver o filme... vou ter que pagar multa :(

2 comentários:

Jessica disse...

Vamos estrear isso aqui...
Muito bom, Becca! "VIVA! Haha!"
Só acho que vc tinha que avisar sobre Spoiler... E se eu me importasse em saber os finais de filmes?? Seria trágico... aehaueihaeiuhaiuehaiuehe
Fiquei com vontade de ver esse aí... =)

egrisoste disse...

Ai q orgulho da minha amiga!!
adorei seu blog, não sabia q vc escrevia tão bem!!! vou visitá-lo sempre!! beijinhos